sábado, 29 de agosto de 2009

Volvo B12R

0 comentários
 A Volvo desenvolveu um chassi com tudo o que a tecnologia pode oferecer de melhor a você e seus passageiros. Simples e completo ao mesmo tempo, o B12R reúne o que há de mais moderno e avançado para oferecer o resultado que você espera: mais segurança, economia e desempenho.
O Volvo B12R é um ônibus rodoviário de primeira classe para aplicações de longa distância. Equipado com os mais modernos motores    eletrônicos   Volvo ,    testados   e comprovados pelo mercado, esse chassi proporciona um custo de manutenção reduzido, maior confiabilidade e maior disponibilidade.

O B12R está equipado com motor Volvo D12D, caixa Volvo I -Shift, sistema de freios a disco EBS5, suspensão eletrônica, freio motor VEB ou retarder Voith (item opcional).
O B12R oferece como opcional o sistema ESP (Eletronic Stability Program). Este sistema ajuda a prevenir possíveis acidentes ocasionados por excesso de velocidade em curvas.
 Disponível na versão 6x2, nas potências de 380 e 420cv, o Volvo B12R é a opção ideal para o seu negócio.
Na foto vemos o 1800DD da Marcopolo Chassi B12R.
Foto e Texto: Site de Scania.

Cia Atual

0 comentários
A Cia Atual de Transportes conhecida no estado de Minas Gerais e em boa parte do Brasil, vem atuando no segmento de transporte de passageiros ligando as cidades de Belo Horizonte a Juiz de Fora e demais regiões, vem buscando valorizar a satisfação de seus clientes e colaboradores e para dar continuidade ao seu trabalho no transporte, a empresa vem testando o moderno rodoviário Marcopolo

FOTO: EUGÊNIO ILZO - DIVULGAÇÃO
O novo ônibus Paradiso G6 1200 Scania k340 deve ficar em testas na empresa nos próximos dois meses, e estará operando nas linhas: Belo Horizonte x Juiz de Fora, Belo Horizonte x São José dos Campos e Belo Horizonte x Carajás.


Belo Horizonte usará articulados

0 comentários
Previsões de especialistas menos pessimistas apontam que o trânsito de Belo Horizonte pode ficar impraticável dentro de oito anos. Para tentar evitar que isso aconteça, as apostas da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), dentro do Programa de Metas e Resultados, que será anunciado hoje, são o Programa Corta Caminho e a implantação do sistema de Transporte Rápido por Ônibus (TRO).

FOTO: DIVULGAÇÃO SCANIA DO BRASIL
Considerada a cria mais bem-acabada do modelo curitibano de ônibus de alta capacidade, o sistema Bus Rapid Transit (BRT), ou Transporte Rápido por Ônibus (TRO), como vem sendo chamado em Belo Horizonte, é mais uma meta estabelecida para a Copa do Mundo de 2014. O novo sistema, que terá, inicialmente, 70 quilômetros de linha, deve funcionar em 2012 e aproveitará a ampliação da Avenida Antônio Carlos, por meio de canaletas e estações de embarque e desembarque operadas por um sistema inteligente. Na sua operação, são utilizados veículos de alta capacidade, vias exclusivas, terminais de embarque e desembarque em nível e pagamento antecipado de passagens. A previsão é que o sistema também seja estendido do centro da capital até a MG-10, na Região de Venda Nova, onde começa a funcionar, ainda neste ano, o novo Centro Administrativo do Governo do Estado.

O diretor de Planejamento da BHTrans, Célio Bolda de Freitas, informou que já está em curso a licitação de projeto técnico para implantação do TRO na Antônio Carlos, cujas obras de duplicação de trechos deverão ser concluídas no próximo ano, e na Avenida Pedro I, cujas obras de duplicação serão iniciadas em 2010. A licitação em questão, segundo o diretor, deverá ser definida até o final de setembro. "São estudos que indicarão a frequência de passageiros, o tipo de ônibus ideal a ser usado nesse sistema, assim como as plataformas de embarque e desembarque", disse. "As obras serão iniciadas já no próximo ano", acrescentou. O valor da tarifa ainda não foi definido.

Além da Avenida Antônio Carlos, o novo sistema deverá ser operacionalizado também nas avenidas Cristiano Machado e Amazonas, passando pela Região do Barreiro, até chegar ao centro da cidade. Outras rotas previstas são as avenidas Tereza Cristina e Contorno, também até o Centro. "A ideia é integrar o sistema a estações de metrô, sem interferência dos ônibus convencionais", disse Freitas. Os ônibus que vão operar no novo sistema serão articulados ou biarticulados (que possuem duas articulações sanfonadas, proporcionando um comprimento maior - equivalente a três veículos convencionais – e, consequentemente, uma maior capacidade de transporte de passageiros), com operação similar à do metrô. O novo sistema não implicará instalação de trilhos. "Com a implantação do TRO, teremos um sistema de ônibus operando com capacidade próxima à do metrô, em pista exclusiva, embarque em nível e o pagamento da tarifa feito em estações de acesso", afirmou o diretor.

Modelo de BH é similar ao de Bogotá

Modelo similar ao projeto da PBH, atualmente em funcionamento, é o Transmilênio, em Bogotá, na Colômbia. O mesmo projeto está sendo viabilizado em cidades-sede da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Desenvolvido na década de 1970 em Curitiba, na gestão do então prefeito Jaime Lerner, o modelo é uma espécie de "metronização" do ônibus. Para o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra), Iraci de Assis Cunha, o novo sistema "é a solução para o transporte do futuro em todo o mundo". Ele acredita que a oferta dessa nova modalidade de transporte público não vá impactar no sistema convencional – até porque quem deverá operá-lo são empresas ligadas à entidade. "Certamente será um sistema integrado ao que já existe", disse.

No último Seminário da Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano (NTU), o arquiteto e urbanista Jaime Lerner defendeu que o sistema de ônibus de alta capacidade é a solução ideal para a mobilidade em 40 cidades brasileiras com mais de 500 mil habitantes. O projeto de Lerner prevê um investimento público de R$ 6 bilhões para que, em cada uma dessas cidades, sejam construídos dois eixos de vias exclusivas para ônibus, a exemplo das que existem em Curitiba.

No seminário, Lerner ressaltou que é importante que o sistema seja bem operado, com vias exclusivas para ônibus troncais, integração com alimentadores, embarque e desembarque em estações fechadas em nível, pagamento antecipado da passagem, faixa de ultrapassagem e frequência bem dimensionada.

Uma das propostas mais importantes para BH é o Corta Caminho, lançado no ano passado pelo então prefeito Fernando Pimentel com o nome Programa de Estrutura Viária de Belo Horizonte (Viurbs). Do conjunto de 148 intervenções propostas, 13 deverão ter os projetos concluídos até o mês de outubro.

Um dos destaques é a criação de 17 travessias no Anel Rodoviário. O prefeito Marcio Lacerda sinaliza também com a criação de um novo traçado viário, que abrangeria a BR-040, saindo da Mina Águas Claras, desativada em 2002, passando por Nova Lima, pelo Anel Rodoviário até Sabará. A intervenção não tinha sido detalhada, mas especula-se que vai beneficiar os moradores de um condomínio que será construído pela Vale no entorno da antiga mina. O empreendimento, aguarda licenciamento ambiental e ainda não tem acesso para o trânsito de veículos. A assessoria de imprensa da Vale informou que está negociando a abertura de vias com a PBH, sem dar mais detalhes.

O consultor de trânsito Paulo Rezende, da Fundação Dom Cabral, avalia que a ampliação do sistema viário é a contrapartida urgente e necessária para amenizar os impactos causados pelo aumento excessivo do número de veículos nas ruas. Hoje, a frota em BH é de 1,3 milhão de veículos. "Dentro de oito anos poderemos chegar ao nível de lentidão permanente no trânsito, ou seja, congestionamento o dia inteiro", alerta.

O especialista diz ainda que a abertura de rotas vai atrair as concessionárias de ônibus, que são estimuladas por receberem subsídios da BHTrans para os custos operacionais. Já o vereador Wagner Messias, o Preto (DEM), afirma que a captação de recursos precisa ser priorizada. O projeto de implantação das garagens subterrâneas em vários pontos da cidade, a ser explorada pela iniciativa privada e que já vem despertando o interesse de construtoras e outras empresas, também deverá ser detalhado hoje pelo prefeito.

E ontem, um caminhão parado por problemas mecânicos e sinais de trânsito apagados por falta de energia, provocada pela chuva, causaram um engarrafamento de uma hora e meia no trânsito na Avenida Senhora do Carmo, no Sion, na Região Centro-Sul. No início da noite de ontem, o Viaduto Castelo Branco também ficou congestionado. O gerente de Controle e Operações da BHTrans, Fernando Pessoa, informou que, no período chuvoso, a BHTrans irá intensificar suas operações de fiscalização em conjunto com a Polícia Militar e a Guarda Municipal.
Reportagem: Revista do ônibus, Com informações:Jornal Hoje em Dia

Salas VIPs

0 comentários
As salas VIPs são salas que algumas empresas de ônibus possuem nas rodoviárias, que oferecem confortos, segurança, praticidade e um acesso direto aos ônibus.

Nestas salas há uma pessoa responsavel por axiliar os passageiros, carrinhos para bagagem, cadeiras (de maior conforto que as padrões da rodoviária em questão) e facilidade para visualizar o ônibus e sua linha.

Existem também empresas que oferecem mais conforto como uma sala VIP, de onde saem micro-ônibus para levá-lo aos principais centros comerciais da cidade. No local, você também pode contar com um serviço de encomendas que garante a entrega segura e pontual das suas compras.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Florianópolis: Terminais urbanos, táxis e veículos escolares entram na prevenção da Gripe A.

0 comentários

Todos os terminais urbanos da Capital, táxis e veículos de turismo e do transporte escolar que atuam na cidade deverão dispor de frascos ou saboneteiras com álcool gel como forma de prevenção a Gripe A. A medida foi solicitada na tarde desta quarta-feira, 19, pelo vice-prefeito e secretário de Transportes, Mobilidade e Terminais, João Batista Nunes, durante reunião do Conselho Municipal de Transportes. Também serão afixados nos terminais cartazes informativos sobre os métodos de prevenção.
"O principal veículo de contágio da nova gripe são as mãos e pedimos aos operadores que colaborem com as medidas de prevenção seguindo orientações da Secretaria Municipal de Saúde", explica João Batista. O Secretário de Transportes reforçou ainda a necessidade dos ônibus urbanos e intermunicipais circularem sempre que possível com as janelas abertas. "Precisamos que os motoristas e cobradores colaborem mantendo a boa ventilação como uma das medidas preventivas nesse combate de todos contra a Gripe A".
No seu primeiro contato oficial com os membros do conselho João Batista Nunes apresentou o plano de ação da Secretaria de Transportes até 2012, enfatizando as ações para melhorar a mobilidade urbana em Florianópolis. O secretário explicou a meta de criar uma mobilidade que seja sustentável promovendo uma nova cultura na população que incentive o uso de novos modais de transporte, buscando uma cidade mais humanizada. Entre as medidas já postas em prática destacou as linhas brancas, que estão priorizando o uso do ônibus em detrimento dos carros particulares e melhorando o trânsito nos horários de pico. O vice salientou que os corredores para ônibus contam com total apoio do prefeito Dário Berger e que outras faixas especiais serão implantadas nas principais vias da Ilha e do Continente. Citou os corredores da Beira-mar Norte, Lauro Linhares, Mauro Ramos, das ruas Fúlvio Adulcci e Gaspar Dutra e da Ponte Pedro Ivo.
 

Os conselheiros também foram informados da qualificação que a Secretaria de Transportes vai promover para os motoristas e operadores de algumas modalidades de transporte. "Ainda em agosto vamos iniciar cursos de relações humanas, legislação, espanhol e noções de turismos parta os 700 taxista da cidade e pretendemos também qualificar todos os operadores dos escolares e transporte turístico", adiantou. A iniciativa teve boa aceitação pelos membros do conselho que sugeriram a inclusão de normas de segurança para ciclistas nos treinamentos. O encontro discutiu ainda uma possível ampliação do órgão para mais entidades comunitárias e de classe.
O Conselho Municipal de Transportes é formado por representantes da Prefeitura (Secretaria de Transportes e Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), sindicatos das empresas de ônibus, dos táxis, dos proprietários de veículos do transporte escolar, além de dois indicados pela UFECO (União Florianopolitana de Entidades Comunitárias) e operadores do transporte turístico. O órgão definiu um calendário de encontros até o final deste ano com duas reuniões mensais.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Polêmica em São Paulo com os fretados.

0 comentários
SÃO PAULO - O caos no trânsito da Marginal do Tietê já se reflete no caixa de algumas empresas de ônibus, obrigadas a pagar hora extra aos motoristas presos no tráfego, caso da Caprioli Turismo Ltda. e da Rápido Fênix.

A primeira tem depositado, em média, duas horas a mais por dia de salário aos seus funcionários, segundo o gerente de Operações, José Bernardo Pinto. "Teve uma vez que um motorista nosso ficou parado na Marginal do Tietê três horas e 15 minutos cravados no relógio", lembra ele.

FOTO: FÁBIO BARBANO MARTINS - DIVULGAÇÃO
As longas filas de veículos que atrasam chegadas e saídas de ônibus no Terminal Rodoviário Tietê têm trazido ainda outro problema para as empresas. Como excedem o horário, os motoristas ficam sem tempo para levar os coletivos às garagens a fim de que passem por lavagem e faxina antes das próximas saídas, como é rotina. "Muitos ônibus têm saído sujos porque não dá tempo nem de limpá-los", afirma Hermínio Manuel Comenalli Neto, relações-públicas da Rápido Fênix.

"Se o horário previsto de chegada é meio-dia, esse ônibus só iria sair novamente do pátio às 14 horas. Com essa programação, daria tempo para organizar as coisas a bordo e fazer a assepsia dos assentos. Mas essa rotina também (por conta dos congestionamentos na Marginal) está ficando prejudicada", admite o executivo.

Comenalli Neto acredita que o arrastado trânsito na Marginal, agora ainda mais complicado por conta das obras, que já pararam duas vezes a cidade desde que começaram, está deixando as empresas em uma situação não vivida antes.

"Não tenho dúvida de que o mais prejudicado, infelizmente, estão sendo os passageiros, que se irritam, se cansam e perdem tempo nesses deslocamentos", diz Comenalli Neto.

Reportagem: Revista do ônibus

Curitiba vai utilizar um transporte "Verde".

0 comentários
CURITIBA - A capital paranaense será a primeira cidade do Brasil a usar combustível 100% verde em ônibus do transporte coletivo urbano. A partir de agosto, seis ônibus articulados da Linha Verde, o mais novo corredor de transporte de Curitiba, passarão a circular com biocombustível 100% à base de soja, sem adição de óleo diesel convencional. Nos meses seguintes, o diesel à base de soja abastecerá todos os 18 ônibus da Linha Verde.

Na quarta-feira, 22, Prefeitura de Curitiba, empresas do transporte coletivo, fabricantes de motores e chassis, produtores e distribuidores de biocombustível firmaram acordo que garante o funcionamento dos ônibus da Linha Verde integralmente com biocombustível.

O combustível a ser usado nos ônibus da capital não contém petróleo. É 100% derivado de óleo de soja, produzido por meio de processo químico que remove a glicerina do óleo vegetal. Por ser biodegradável e não-tóxico, é um combustível ecológico.

FOTO: DIVULGAÇÃO - PREFEITURA DE CURITIBA
Como se trata de energia limpa, não poluente, o uso no motor diesel convencional resulta, quando comparado com a queima do diesel mineral, numa redução substancial de monóxido de carbono e de hidrocarbonetos não queimados.

A iniciativa da Prefeitura de Curitiba terá acompanhamento permanente do Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Combustíveis Alternativos (Probiodiesel), do governo federal, para monitorar consumo, desempenho e emissão de poluentes. Os ônibus que usarão biocombustível têm motores Euro III, menos poluentes, tecnologia que vem sendo adotada na frota de Curitiba nos últimos quatro anos. Desde 2005 e até o fim deste ano, 1.120 dos 1.910 ônibus da frota da capital terão sido substituídos por veículos com motores eletrônicos Euro III.

O diretor substituto do Departamento de Combustíveis renováveis do Ministério de Minas e Energia, Ricardo Borges Gomide, disse em Curitiba que a experiência da cidade será acompanhada de perto pelo governo federal. "Curitiba faz o que o Brasil fez há 30 anos com o Proálcool, introduziu uma tecnologia nova", afirmou Gomide. "É um projeto que, futuramente, pode ser levado a outros estados do País."


reportagem: revista do ônibus.