sábado, 14 de novembro de 2009

Pesquisador em Transporte mostra os reais motivos de rodas de ônibus estarem se soltando (cidade do Rio)

O que ocorre na maioria das ocorrências nesta situação é a falta de manutenção em alguns componentes que interligam o sistema de rodagem que são:

1º Defeito:
Falta de lubrificação (graxa) nos cubos de roda.

2º Defeito:
Excesso de rodagem dos cubos.

3º Defeito:
O mal aperto das rodas.

4ª Defeito:
Folga nas mangas de eixo.

FOTO: REPRODUÇÃO DE TV

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Das empresas que teve seus carros soltando rodas, nota - se que são empresas que infelizmente pecam em alguns quesitos de manutenção.

Vale lembrar que os defeitos acima relacionados se corrigem preferencialmente nas famosas, necessárias e indispensáveis manutenções preventivas, devido a serem defeitos quase não diagnosticados pelos motoristas no seu dia a dia.

Outro fator importante a ser falado é que a idade do chassi não interfere em nada para a probabilidade de ocorrer o risco de se ter com mais freqüência essa situação, ou seja, não é porque o chassi é velho que isso ocorrerá mais vezes do que em um chassi mais novo.

O que ocorre e, é real o fator "manutenção", pois mesmo que não seja feitos no chassi novo (tem empresa que faz isso mesmo, deixa passar), o problema com ele também poderá e com chances reais de ocorrer.

Se perceberem, com as empresas "Top de linha" estes problemas são quase impossível de se vê Nas ruas, pois os programas de treinamento a motoristas não se preocupam tão somente em tratar do seu bem principal (passageiro), mais também na sua ferramenta de trabalho. Devido a isso, esses defeitos apresentados acima quando passam despercebidos pela manutenção, os próprios motoristas alertam as suas oficinas quando observam as seguintes situações:

1º Defeito > Falta de lubrificação dos cubos
Toda manutenção preventiva é feita à retirada dos cubos para lubrificação de seus rolamentos. Quando o cubo trabalha sem estar lubrificado, ele passa a ter um desgaste prematuro devido aos seus componentes trabalharem em atrito devido a falta de graxa nos mesmos.

Como perceber com este problema?

Os atritos entre as peças e os tambores de freios produzem um aquecimento excessivo, que de 80 a 120 graus, permitido pelo fabricante, pode chegar até a 200 graus. Nesse caso você perceberá este aquecimento ao ficar em pé do lado da roda dianteira, quando ocorrer isso, o certo é avisar a manutenção da sua empresa, pois além de ocorrer o risco de soltar os cubos, esta alta temperatura irá prejudicar e muito a vida útil dos pneus.

2º Defeito > Excesso de rodagem dos cubos
Este defeito é o que mais ocorre nas empresas que não tem um controle técnico e eficiente de manutenção.

Os cubos têm uma quilometragem limite para rodagem que variam de empresa para empresa.

Essa quilometragem varia especificamente de 15.000 a 60.000 km. Rodados em média de acordo com as condições técnicas (chassis) e operacionais (nº de paradas + piso rodante) de cada empresa.

Como perceber com este problema?

Ao frear, é só perceber se o freio ao ser acionado o irá parar imediatamente
. Obs: Essa situação do acionamento dos freios muitas das vezes pode ser também o desgaste das lonas de freio.

3º Defeito > Aperto das rodas
Digamos que não chega ser um defeito exatamente, mais sim uma preocupação não só adotada por mim mais por algumas empresas também.

O que ocorre é que com o passar dos anos e as tecnologias adotadas nas ferramentas de manutenção visando um tempo mínimo de um carro ficar parado na oficina, quase todas as empresas de ônibus aposentaram a chave de roda e adotou a máquina pneumática. Para quem não sabe que máquina é essa, é aquela máquina que as equipes de fórmula 1 usam para apertar as porcas das rodas de seus carros.

Pois bem, esta máquina com certeza agiliza e muito os principais serviços que venha a serem retirados às rodas para a execução dos mesmos, como serviços de troca de cubos, retentores, manga de eixo, troca de pneus entre outros.

Outro fator importante desta máquina, não para a classe operária, mais para o lado empresarial, com a agilidade da máquina e o tempo que se perdia comparando-se com a chave de roda, algumas empresas tiveram até a necessidade de se diminuir a quantidade de mão-de-obra por conta deste fator.

O problema que esta máquina poderá vir a ocorrer é pelo descuido de quem a usa diariamente, pois como essas máquinas nas empresas de ônibus trabalham praticamente 24 horas por dia, a mesma se não for regulada regularmente conforme o fabricante determina, o torque (pressão) no aperto das porcas aplicado não chega a ser tão eficiente, só que infelizmente é uma situação que olhos dos motoristas passa quase que despercebida.

Por conta disso, não só eu como outras empresas também aderiram à mesma tática que é de mesmo depois das porcas das rodas serem apertadas pela máquina pneumática, reforçar as mesmas com a chave de roda por medidas de precaução.

Como perceber com este problema?

Só observar nas rodas a quantidade de roscas que sobram entre o parafuso e a porca, considere-as apertadas se estiver sobrando de 3 a 4 voltas nas rocas, menos do que isso alertem suas manutenções.

4º Defeito > Folga na manga de eixo
Este problema pode-se dizer que nas empresas que tem uma manutenção precária, é o que mais pode acontecer.

A folga nas mangas de eixo na verdade é a ponta do eixo dianteiro e seus componentes que se desgastam com a passar do tempo por conta da quilometragem percorrida.

Este problema ocorre por conta dos embuchamentos (rolamentos) estarem gastos e por conta disto se forma uma folga, pois quando o problema é diagnosticado logo quando aparece, é só refazer os embuchamentos.

Mais como disse acima sobre as manutenções precárias de algumas empresas, quando se passa muito o tempo de se fazer o embuchamento, a ponta do eixo também começa a se desgastar, com isso o perigo aumenta por conta do embuchamentos precários e a folga na porta do eixo, além do serviço ficar muito mais cara, pois para refazer a manga de eixo no preço de hoje, á mais ou menos por volta dos R$ 2500,00.

A identificação deste serviço pode ser feita por duas maneiras que são:

1 > As empresas que detém em suas manutenções o serviço de alinhamento é quase impossível este problema passar em branco, pois os serviços que compõem o alinhamento em geral (Cambagem e Balanceamento) identifica qualquer problema que possa passar em branco. O Alinhador identificando o problema, é repassado automaticamente a mecânica para que se possa fazer os devidos serviços.

2 > As empresas que não detém o serviço de alinhamento internos em suas garagens, usam uma técnica não muito confiável para identificar se existe folgas nas mangas, eles fazem o seguinte; Suspendem o eixo dianteiro, com uma barra de ferro eles colocam dentro dos buracos que ficam no cubo da roda (para quem não sabe para que existem esses buracos, servem para a entrada de ar nos cubos de roda e resfriar os tambores de freios) e suspendem a barra para cima.

Se por ventura a roda fazer um movimento mínimo para cima, consta-se ali que existe uma folga.

Obs: O aconselhável mesmo não é usar a técnica da barra de ferro, pois o alinhamento completo te possibilita de fazer um serviço completamente completo em todos os componentes que formam a manga de eixo, além de garantir por muito mais tempo (km) a eficiência do serviço.

Como perceber com este problema?

Aos senhores motoristas, ao realizarem curvas, percebam se a um deslize como se tivesse derrapando, se ocorrer isso, avise a sua manutenção, o mais rápido possível.

Outra forma de identificar é só perceber quando o carro estiver parado se as rodas estão bem em pé, caso note alguma diferença mínima de ela estar um pouco para dentro ou para fora, com certeza existe uma folga.

Rodrigo Salles é pesquisador em transportes e coordenador de manutenção
e-mail: rodrigo.salles@clubedotrecho.com

Nenhum comentário: