terça-feira, 13 de abril de 2010

Com Paralisação, passageiros dos Aeroportos Santos Dummont e Galeão tiveram que ter paciência nesta segunda-feira

Assim como os passageiros da Zona Oeste do Rio, os passageiros e turistas que desembarcavam nesta manhã nos aeroportos Santos Dummont na Zona Sul do Rio de Janeiro e internacional do Galeão na Ilha do Governador, precisam ter paciência.

Com a paralisação dos rodoviários que atingiu principalmente a frota da Real Auto Ônibus, empresa responsável pelo transporte de passageiros nos dois aeroportos da cidade, os ônibus Premiuns demoraram para sair da garagem. Havia risco de depredação por parte de alguns manifestantes.

Com atrasos e filas enormes, muitos passageiros e turistas que chegavam na cidade pelos aeroportos e até mesmo através da Rodoviária Novo Rio, acabaram apelando para os táxis, que por sua vez estavam cobrando bem mais caro do que o normal, se aproveitando da paralisação dos rodoviários.

FOTO: GABRIEL PECLAT - CLUBE DO TRECHO - DIVULGAÇÃO
A Real Auto Ônibus conseguiu negociar os o movimento de greve e liberou 12 unidades para atender em caráter emergêncial os clientes em ambos os aeroportos.

A Secretaria municipal de Transportes do Rio divulgou, na tarde desta segunda-feira, a primeira avaliação sobre a greve dos rodoviários. De acordo com a secretaria, foram afetados 120 mil passageiros que usam a frota de 11 empresas que operam na Zona Oeste. Desse total de ônibus, 90% dos veículos não circularam.

Segundo a coordenadoria regional da Zona Oeste, das 11 empresas da região, a greve artingiu 100% das frotas da Pégaso, Jabour e Transportes Zona Oeste, que detém a maior parte dos coletivos que deixaram de circular. Mais quatro operadoras - Andorinha, Campo Grande, Bangu e Viação Ocidental já colocaram cerca de 20% dos ônibus na rua, medida que amenizou os trantornos dos passageiros. Pela manhã, outra empresa de grande porte, a Real, reteve em sua garagem grande parte da frota. 

O secretário municipal de Transportes do Rio, Alexandre Sansão, classificou a paralisação como inoportuna por não existir qualquer motivo que justifique a interrupção do serviço prestado à população. Há dois meses a Prefeitura concedeu reajuste das tarifas de ônibus. A direção da Rio Ônibus, o sindicato das empresas, recebeu determinação da Prefeitura para recolocar os ônibus nas ruas imediatamente. 

Nenhum comentário: