sexta-feira, 23 de abril de 2010

Gidion e Transtusa garantem que decisão foi politica ou seria operação para salvar Dilma?

A não renovação da fota de ônibus em Joinville e o reajuste dos funcionários da Gidion e da Transtura, são as maiores preocupações das permissionárias do transporte coletivo urbano de Joinville. Há informes que a má performance administrativa da prefeitura de Joinville estaria puxando para baixo o desempenho em Santa Catarina da ex-ministra Dilma Roussef, o que teria levado o prefeito Carlito Merss a não decretar o novo aumento da tarifa de ônibus como medida politica compensatória.
Além disso a decisão do prefeito visa também melhorar a barra da primeira dama, Marinete Merss,foto abaixo, pretensa candidata à Câmara Federal, de olho na substituição do marido no Congresso, vaga com a eleição para a prefeitura.
Todo mundo sabe que o partido, ligado a Carlito, quer a fritura de Francisco de Assis, também aspirante a deputado federal.

A NOTA

A questão é polêmica. Eis a nota oficial das empresas: As concessionárias do transporte público de Joinville foram convocadas para a reunião Na segunda-feira com o prefeito e dirigentes da Seinfra e Ippuj com uma expectativa de definir o novo valor da tarifa e foram surpreendidas pela decisão da prefeitura de não conceder reajuste em 2010.

As empresas entendem a decisão como política e não técnica porque a própria prefeitura havia anunciado antecipadamente que, pelos seus cálculos, a tarifa ficaria entre R$ 2,50 e 2,55.

As contrapartidas para prorrogar o aumento apresentadas pela Prefeitura são para médio e longo prazo e por isso não atendem às necessidades imediatas das empresas. A principal preocupação neste momento é com o pedido de reajuste da categoria apresentado pelo sindicato, já que a data-base é em maio. O sindicato apresentou pedido de reajuste de 10% e existe uma reunião marcada para a próxima quinta-feira.

As medidas apresentadas pela Prefeitura são:

- acelerar a implantação dos corredores exclusivos de ônibus e resolver pontos críticos de tráfego nos bairros para melhorar a fluidez do trânsito;

- compromisso de estabelecer um calendário fixo de reajuste da tarifa em todo o mês de janeiro, seguindo avaliação técnica das planilhas.

- redução da alíquota de 2% para 0,02% do ISS o que cobriria, em parte, o pedido de reajuste solicitado pelo Sindicato da categoria dos funcionários.

Ficou claro para a prefeitura que uma das conseqüências de não conceder reajuste é que as empresas ficam impossibilitadas e desobrigadas de manter a renovação necessária da frota neste período o que é extremamente negativo para manutenção da qualidade do serviço prestado à comunidade.''


Matéria: Gustavo Campos - SFS Ônibus Joinville.
Informações: ToninhoNeves.com.br

Nenhum comentário: