quinta-feira, 27 de maio de 2010

“Paralisações-relâmpago” de motoristas de ônibus são suspensas em Fortaleza

Até que se esgotem as negociações entre os Sindicatos das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) e dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários (Sintro), na última rodada prevista para a próxima sexta-feira (28), ficam suspensas as “paralisações-relâmpago” promovidas por motoristas, fiscais e cobradores do sistema integrado de transportes de Fortaleza. O compromisso foi firmado em audiência realizada na tarde desta quarta-feira (26) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

Segundo o procurador-chefe substituto do Ministério Público do Trabalho (MPT) no Ceará, Nicodemos Fabrício Maia, ficou acertado que os trabalhadores poderão, até lá, realizar reuniões e assembléias com a categoria, desde que não impeçam o funcionamento integral do serviço, tendo em vista que ainda não há uma greve deflagrada oficialmente, conforme as exigências legais. Nos últimos dias, o Sintro tem promovido reuniões com os trabalhadores nas portas das garagens das empresas, impedindo a entrada e saída de veículos, prejudicando o atendimento da população que necessita do serviço nas ruas e terminais de ônibus da Cidade.

Reivindicações 

O Sindiônibus se comprometeu a esgotar todas as negociações possíveis visando uma solução amigável para o impasse até sexta-feira, dia 28. Os trabalhadores reivindicam aumento salarial de 45%, mas a proposta das empresas é de reajuste de apenas 4,5%.

O acordo prevê que, se não houver entendimento na próxima rodada de negociação, os trabalhadores terão assegurado o exercício do direito de greve e poderão realizar assembléias em vias, praças e logradouros públicos, desde que não impeçam o funcionamento do serviço de transporte coletivo antes de formalizada a decisão pela greve e comunicada às empresas conforme as exigências legais.

As empresas se comprometeram a não impedir a participação dos trabalhadores nas assembléias regularmente convocadas. A multa estabelecida no TAC em caso de descumprimento de qualquer cláusula, por quaisquer das partes, é de R$ 50 mil, reversíveis ao Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT).

Também ficou acertado que, caso não seja fechada a convenção coletiva na próxima sexta-feira e os trabalhadores venham a decidir pela realização de greve, o presidente do TRT será comunicado e decidirá, através de liminar nos autos da ação cautelar inominada proposta pelo Sindiônibus, acerca do percentual mínimo de funcionamento do serviço essencial de transporte coletivo a ser cumprido durante o período de paralisação.

Com informações do Portal Verdes Mares e TV Verdes Mares 

Nenhum comentário: