domingo, 16 de maio de 2010

Rio recebe novo ônibus híbrido para teste

FOTO: RODRIGO SALLES - DIVULGAÇÃO


Com cinco meses de atrasos, os testes com o ônibus híbrido, divulgado no final de 2009 pela Fetranspor, parece dar sinais de que irão ocorrer nas próximas semanas. Na época, o presidente da Fetranspor, Lélis Teixeira anunciu que o veículo passará a circular na Zona Sul. (ver matéria).

A informação que nos chega nesta manhã de sábado, é que já está na cidade um modelo híbrido Busscar, nas dependência de uma empresa da Zona Sul, porém, ainda há identificar.

Em 2004, a Real Auto Ônibus, foi a primeira empresa do Rio que realizou testes com o modelo Marcopolo Viale Híbrido.

Um ônibus híbrido (que utiliza dois tipos de energia para se locomover) percorreu as ruas do Rio, em período de testes. Decorado com motivos inspirados nos Jogos Pan Americanos de 2007, o veículo, da Real Auto Ônibus, fez o percurso da linha 179 (Alvorada-Central) trazendo para os espaços cariocas tecnologia nova, brasileira, já testada na Europa.

Embora possuia um motor a diesel, de 80 HP, o modelo era capaz de, a partir do acionamento de um gerador, criar a própria energia, passando a funcionar eletronicamente. Com nove metros de comprimento por 2,5 de largura, o ônibus é fabricado pela Eletra Tecnologia, empresa brasileira que vem sendo reconhecida internacionalmente pelo sucesso dos seus ônibus elétricos híbridos.

COMO FUNCIONA O ÔNIBUS HIBRIDO

O ônibus Eletra é semelhante a um trólebus, com a diferença de que não precisa buscar a alimentação de energia na rede elétrica, pois é capaz de gerá-la a bordo. Um motor elétrico é responsável pela tração nas rodas e um conjunto motor-gerador gera a energia que movimenta o veiculo. Esse conjunto pode funcionar com diesel limpo, gasolina, GNV ou outros combustíveis. Um grupo de baterias armazena e fornece energia adicional ao motor de tração, quando necessário.

Quando o condutor dá a partida no motor diesel, este chega ao “ponto ideal” de rotação (quando há o menor consumo de combustível, aliado à menor emissão de poluentes). O veículo irá manter essa rotação enquanto estiver funcionando. Durante o deslocamento, o motor elétrico é alimentado pelo motor-gerador e pelo conjunto de baterias. Durante as paradas, o gerador recarrega as baterias do veículo. Nas descidas ou em frenagem, o motor elétrico se transforma em gerador e carrega as baterias, recuperando parte da energia cinética do veículo. Uma das vantagens do sistema é que o motor diesel utilizado pode ser bem menor do que o convencional. Um ônibus que necessitaria de um motor de 210 HP, no sistema híbrido terá o mesmo desempenho com um de 80 HP.

Com informações da Eletra e Revista do Ônibus.

Nenhum comentário: