quarta-feira, 20 de julho de 2011

Conheça a nova linha de chassis Volkswagen com motores MAN

Volkswagen 26.330 é o mais novo produto da montadora alemã. O chassi é desenvolvido especialmente para ônibus articulados e vai colocar a marca de forma inédita neste segmento de mercado. O 26.330 tem motor Cummins ISL de 8,9 litros
Quando a Volkswagen Ônibus e Caminhões anunciou oficialmente que foi comprada pela grupo alemão MAN AG, por 1,175 bilhões de euros (R$ 3,78 bilhões), no dia 15 de dezembro de 2008, o mercado começou a especular o que poderia acontecer com os veículos produzidos na planta da Volks para os pesados, em Resende, no Rio de Janeiro.

Inicialmente, houve uma troca de conhecimento entre os técnicos das empresas, mas não houve tanta alteração nos produtos, principalmente nos ônibus.

Mas agora, aproveitando a necessidade de atualizar os motores para seguir as normas mais rígidas de controle de poluição, da sétima fase do Proconve, a P 7, do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, a Volkswagen/Man oferece o que há muito tempo o mercado vinha especulando.

A partir de 2012, os ônibus da montadora no Brasil, terão de forma inédita os motores genuinamente produzidos pela MAN.

Além dos motores da MAN, continuam a equipar os chassi da Volkswagen os motores Cummins, só que também seguindo as mais rigorosas normas do Proconve P 7.

Em comunicado à imprensa, o presidente da MAN América Latina, Roberto Cortes, disse que a empresa para atender à nova legislação, poderia apenas modificar as linhas de motores. Mas foi além e renovou os motores oferecidos pelo mercado.

“Para atendermos a legislação, bastaria trabalharmos apenas na mudança de motores da linha Volksbus. Fomos além, e desenvolvemos uma linha totalmente renovada, com uma série de evoluções tecnológicas que agregam ainda mais valor a linha Volksbus” – afirmou o executivo.

Foi apresentada nova solução de motores para todas as categorias: micro, minionibus, convencionais urbanos, rodoviários e articulados. A tecnologia será baseada na utilizada na Europa, mas adaptada para as condições brasileiras de uso.

PREOCUPAÇÃO E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL:

Para atender à nova legislação que obriga redução de emissão de poluentes, a Volkswagen/Man apresenta dois tipos de tratamento de gases no escape: o SCR – Selective Catalyst Reduction (Redução Catalítica Seletiva) e o EGR – Exhaust Gas Recirculation (Recirculação de Gases de Exaustão).

Os motores MAN D 08 serão fabricados pela MAN Latin América em São Paulo, nas versões de quatro e de seis cilindros e são especialmente desenvolvidos para ônibus, podendo ser usados em 03 dos 08 modelos da linha nova da Volkswagen.

Os Motores MAN D 08 possuem tecnologia EGR – Exhaust Gas Recirculation (Recirculação de Gases de Exaustão). A Volkswagen/MAN garante que os motores possibilitam menos ruído, menor consumo e mais espaço de tempo entre as manutenções.

Também seguindo as normas de poluição do Euro V, Proconve P 7, Além disso, a MAN Latin America usará os motores Cummins ISF e ISL com tecnologia SCR – Selective Catalyst Reduction (Redução Catalítica Seletiva), de quatro e seis cilindros.

Eles também vão equipar chassis de miniônibus, microônibus e também chassis rodoviários e articulados Volksbus.

A iniciativa de oferecer dois tipos de sistemas de redução de poluição é ampliar a opção do mercado, para quem acha conveniente ou não usar o agente de tratamento de gases ARLA 32 (Agente Redutor Líquido Automotivo), com 32% de uréia. “As duas opções de tecnologia Euro 5, a SCR e a EGR, estarão disponíveis em nossa nova linha de produtos. São as melhores opções disponíveis no mercado para as aplicações a que se destinam”, garante Cortes.

O padrão de emissão de poluentes do Euro V, seguido pelo Proconve P7, determina os seguintes níveis de diminuição de alguns elementos presentes no diesel e que são prejudiciais à saúde:

EMISSÃO DE MONÓXIDO DE CARBONO: Redução de 29%
EMISSÃO DE HIDROCARBONETOS TOTAIS: Redução de 23%
EMISSÃO DE ÓXIDO DE NITROGÊNIO: Redução de 60%
EMISSÃO DE MATERIAL PARTICULADO: Redução de 80%

USAR OU NÃO O ARLA 32:
Tanque para o ARLA 32, Agente Redutor Líquido, composto por 32 % de uréia, em chassi 9.160 da Volkswagen. O modelo utiliza motores Cummins que funcionam com o sistema de controle de emissão SCR - Selective Catalyst Reduction (Redução Catalítica Seletiva), que necessita do aditivo no escape.


Uma das polêmicas sobre as novas normas de redução de emissão de poluentes a serem adotadas a partir de janeiro de 2012 nos veículos movidos a diesel é o uso do aditivo ARLA 32, que serve para provocar uma reação química e reduzir o óxido de nitrogênio, uma das principais substâncias do diesel prejudiciais à saúde.

Além de os veículos serem mais caros, por usarem nova tecnologia, o ARLA 32 vai representar uma compra a mais para os empresários. As montadoras alegam que pelo fato de os motores novos que seguem as determinações do Proconve P7, poderem consumir menos, o emprego do ARLA não vai pesar no final da conta.

Mas no caso dos frotistas, principalmente donos de empresa de ônibus, tidos, em sua maioria como conservadores, toda a novidade gera receio. Tanto é que muitas renovações de frotas de ônibus, previstas para 2012, foram antecipadas para 2011 com o objetivo de os empresários escaparem dos custos maiores das novidades. Um ônibus que segue os padrões Euro V, Proconve P 7, de 2012 em diante, custa entre 10% e 15 % mais que os veículos de hoje. Além disso, o ARLA não é ainda visto com bons olhos pela totalidade dos empresários. Em média, a cada 5 abastecimentos de tanque completo de diesel, um tanque do ARLA deve ser abastecido.

A Volskwagen, no entanto, oferece ônibus que seguem os padrões do Proconve P 7, sem a necessidade de uso do ARLA 32. Há, na verdade os dois sistemas: SCR (Redução Catalítica Seletiva), que necessita do ARLA, e o EGR (Recirculação de Gases de Exaustão), que dispensa o aditivo.

Em nota à imprensa, a empresa explica as duas opções:
  • SCR (Redução Catalítica Seletiva) – Foi empregado pela primeira vez em centrais termoelétricas alimentadas a carvão, para separação dos óxidos de nitrogênio (NOx) dos gases de exaustão. Em 2006, a tecnologia atingiu com sucesso o potente mercado europeu de motores diesel, permitindo que os caminhões pudessem manter os limites Euro 4 e 5.
O SCR visa a redução de NOx por meio de reações químicas envolvendo ureia e oxigênio. Um tanque, com um sistema de dosagem instalado sobre o SCR, libera a quantidade exata de ureia (uma mistura chamada no Brasil de Agente Redutor Líquido Automotivo – ARLA 32) para reduzir o NOx.

Além disso, o SCR utiliza o sistema conhecido como DPF – Diesel Particulate Filter (Filtro de Partícula de Diesel) – que visa à redução dos níveis de material particulado dos veículos a diesel.

ARLA 32 – O Agente Redutor Líquido Automotivo (ARLA 32), também conhecido como AdBlue (marca registrada na Europa) ou DEF – Diesel Exhaust Fluid (Líquido de Exaustão de Diesel), é um fluido necessário para a tecnologia SCR que estará presente nos veículos a diesel classificados como comerciais pesados, semi-pesados e ônibus fabricados a partir de 2012.

O ARLA 32 não é um combustível ou um aditivo. Ele é injetado no sistema de escapamento para reduzir quimicamente as emissões de NOx (Óxidos de Nitrogênio) de veículos movidos a diesel. É uma solução composta, em sua maioria, por 1/3 de ureia de alta pureza e 2/3 de água desmineralizada (isenta de minerais que se ligam a ureia e a transformam em cristais).


  • EGR (Recirculação de Gases de Exaustão) – Utiliza o princípio de reaproveitamento dos gases de exaustão através do controle eletrônico. Uma pequena porcentagem dos gases é recirculada, resfriada e então alimentada de volta para a câmara de combustão. Este processo reduz a quantidade de óxido de nitrogênio nos gases de escape, devido a redução da temperatura na câmara de combustão. Em adicional, a tecnologia incorpora um catalisador de oxidação.
A tecnologia EGR garante ainda um melhor aproveitamento do espaço no chassi. Além disso, o sistema não agrega peso significativo ao veículo, não exige abastecimento de ARLA 32 e não interfere no encarroçamento do veículo

A NOVA LINHA DE MOTORES DOS ÔNIBUS VOLKSWAGEN/MAN:

Texto da Assessoria de Imprensa da Volkswagen Ônibus e Caminhões

  • VW 5.150 OD

Com um moderno motor Cummins ISF de 3,8 litros e sistema de pós-tratamento de emissões (SCR) baseado na utilização de ARLA 32 (AdBlue), o modelo é ideal para o transporte escolar, shuttle de empresas de turismo e também em auto escola, como veículo para formação de condutores.

Características como eixo traseiro de rodado simples e alavanca de troca de marchas no painel, o colocam como potencial concorrente ao segmento hoje atendido por Vans porém com maior capacidade de passageiros (em média 30%), maior conforto e segurança.

Entre os aspectos que auxiliarão na produtividade do condutor, o modelo apresenta ainda novas propostas para o aumento do conforto do motorista, com a redução do esforço no acionamento das marchas e aspectos ergonômicos que visam reduzir a fadiga no dia-a-dia de trabalho.

  • VW 8.160 OD

Ideal para aplicações fretamento e urbana de média densidade, com carrocerias que podem chegar a 8 metros de comprimento, o modelo conta com motor Cummins e sistema de pós-tratamento de emissões (SCR) baseado na
utilização de ARLA 32 (AdBlue).

Além do novo motor Cummins ISF de 3,8 litros, o novo lançamento oferece ainda caixa de transmissão ZF 5S 420 com alavanca de transmissão posicionada diretamente sobre a transmissão, o que garante maior durabilidade e maior conforto aos motoristas.

O modelo conta ainda com posicionamento de cockpit desenvolvido para o motorista que exerce também a função de cobrador, além de melhorias em durabilidade e conforto, o que torna o veículo extremamente competitivo no segmento de microônibus.

  • VW 9.160 OD / VW 9.160 OD Plus
O chassi para ônibus de pequeno porte 9.160 oferece mais potência a veículos dessa categoria, segundo a Volkswagen. O motor é Cummins ISF de 3,8 litros. O Peso Bruto Total na versão convencional é de 8500 kg e na Plus 9200 Kg.
Reconhecidamente a melhor opção do segmento, o modelo incorpora uma série de inovações. O novo motor Cummins ISF de 3,8 litros e sistema de pós-tratamento de emissões (SCR) baseado na utilização de ARLA 32 (AdBlue), aliado a caixa de transmissão ZF 5S 420 de 5 marchas e as duas opções de eixo traseiro garantem ao veículo atributos como robustez, durabilidade e flexibilidade.

O novo sistema de troca de marchas por cabos garante ao veículo maior precisão nos engates, menor esforço nas trocas de marchas e consequentemente maior ergonomia e conforto ao motorista.

O painel de instrumentos é totalmente novo e com layout mais agradável, o que proporciona maior harmonia com o painel desenvolvido pelos encarroçadores. Além disso, incorpora uma série de itens que suportam o motorista durante a operação.

O modelo 9.160 OD conta com entre eixo de 3900 mm, eixo traseiro Dana e PBT de 8.500 kg. Na versão Plus o veículo conta com entre eixo de 4300 mm, eixo traseiro Meritor e PBT de 9.200 kg.

  • VW 15.190 OD

Ideal para o transporte urbano em linhas distribuidoras, operando como midibus ou fretamento de curtas e médias distâncias, o Volksbus 15.190 OD passa a contar com um novo conjunto powertrain com excelente compromisso entre desempenho e custo operacional.

Equipado com motor MAN D08 de 4 cilindros, o motor apresenta moderna tecnologia afim de garantir a conformidade com o Proconve P7. Desenvolvido exclusivamente para a aplicação ônibus, o motor é equipado com dois estágios de sobrealimentação (2 turbocompressores), sistema de injeção Common Rail e tecnologia EGR, afim de oferecer excelente desempenho mesmo em baixas rotações.

Além da motorização, o modelo incoropora nova embreagem com 395 mm de diâmetro e caixa de transmissão ZF 6S 1010 de 6 velocidades com servo assistência e transmissão por cabos, o que garante maior conforto e
durabilidade de todo o conjunto.

Novas funcionalidades eletrônicas foram incorporadas ao veículo e o novo painel de instrumentos proporciona uma série de itens afim de suportar o motorista durante a operação.

  • VW 17.230 OD
Desenvolvido para suportar as severas operações do transporte urbano e também como excelente solução ao serviço de fretamento, o novo Volksbus 17.230 OD alia a tecnologia de um motor MAN aplicado com sucesso em diversos lugares no mundo, a robustez e a confiabilidade já reconhecidos do modelo.

O motor MAN D08 de 4 cilindros com dois estágios de sobrealimentação (2 turbocompressores) e sistema de injeção Common Rail garantem torque e potência compatíveis com a operação. Com polia adicional de série e pacote de arrefecimento reposicionado, facilita o trabalho do encarroçador na instalação de carrocerias equipadas com ar condicionado.

Para atendimento do Proconve P7, o motor está equipado com tecnologia EGR, que garante melhor aproveitamento do espaço do chassi, já que não exige a instalação de tanque adicional, além de não interferir no encarroçamento do veículo.

O modelo ainda incoropora embreagem de maior diâmetro, com 395 mm de diâmetro, e caixa de transmissão ZF 6S 1010 de 6 velocidades com servo assistência e transmissão por cabos, o que garante maior conforto e durabilidade de todo o conjunto.

O modelo será oferecido também na versão V-Tronic, equipado com transmissão automatizada, com todos os atributos relacionados a custos operacionais já reconhecidos pelo mercado.

O Novo painel de instrumentos e as novas funcionalidades eletrônicas também foram incorporadas ao modelo. Através da ferramenta de diagnóstico VCO é possível a parametrização de algumas funções do motor, o que garante a otimização da operação para cada tipo de aplicação.

  • VW 17.280 OT
O modelo 17.280 OT é um dos veículos da Volkswagen no Brasil que terão de maneira inédita um motor da MAN, empresa que controla a Volks Ônibus e Caminhões oficialmente desde dezembro de 2008. O motor MAN D 08 dispensa o uso do ARLA 32
Ideal para as aplicações de fretamento e rodoviário de curta distância, bem como aplicações urbanas com alta demanda de passageiros, seja para aplicação com piso normal ou mesmo piso baixo (Low Entry), o Volksbus 17.280 OT vem agora equipado com novo conjunto powertrain para atendimento a todos os tipos de aplicação.

O motor MAN D08 com 6,7 litros, 6 cilindros e 280 cavalos de potência conta com tecnologia de recirculação de gases de exaustão (EGR). Assim como no modelo 4 cilindros, o modelo conta com dois estágios de sobrealimentação (2 turbocompressores) e sistema de injeção Common Rail, que garantem excelente desempenho mesmo em baixas rotações.

A nova transmissão mecânica ZF 6S 1010 de 6 velocidades com servo assistência e transmissão por cabos, garante maior conforto ao motorista e maior durabilidade a todo o conjunto. Oferecemos também a caixa de
transmissão automática ZF 6HP 502C e o modelo na versão V-Tronic, equipado com transmissão automatizada e com todos os atributos já reconhecidos pelo mercado.

Ideal para carrocerias de até 13,2 metros o modelo é oferecido com entre eixo de 6.000 mm na versão urbana (Piso Alto ou Piso Baixo) ou entre eixo de 3.000 mm para a aplicação fretamento, o que permite a instalação de
bagageiro passante.
  • VW 18.330 OT
Para a linha de rodoviários médios e pesados, a Volks/MAN apresenta os novos 18.330 OT. Robustez é uma das características do veículo. O motor é Cummins e para atender às novas normas de emissão de poluentes, necessita do uso do ARLA 32.

Aproveitando toda a sinergia de desenvolvimento entre a MAN Latin America e a Cummins, a opção rodoviária vem equipada com motor Cummins ISL de 8,9 litros e 330 cavalos de potência, que trabalha com tecnologia SCR e utiliza ARLA 32 (AdBlue) para atender os limites de emissões do PROCONVE P7.

Conta com caixa de transmissão Eaton FSBO 9406 AE com servo assistência, o que garante facilidade nas trocas de marchas e maior conforto ao motorista.

O modelo apresenta ainda retarder Voith VR 123 como opção, o que garante maior durabilidade ao sistema de freios e maior segurança em aplicações com alta exigência do sistema de freios.

O desenvolvimento de diversos outros componentes do trem de força focados no aumento de durabilidade, como cardan e eixo diferencial, fazem desse modelo um dos mais robustos da categoria.

A eletrônica embarcada, marca dessa nova linha, está presente em diversos aspectos do desenvolvimento. O design do novo painel beneficia a egonomia e os novos indicadores permitem o controle mais eficiente das funções do veículo. De forma mais discreta, novas funcionalidades auxiliam na forma adequada de condução e controle.

O condutor foi beneficiado com a implementação de itens como mudança de marchas por cabos e transmissão servo-assistida, para o conforto e redução de fadiga em condições de operação.

  • VW 26.330 OTA
Chassi articulado da Volkswagen/MAN foi lançado em momento propício de crescimento de ônibus de alta capacidade. Com a necessidade de modernização dos sistemas nas cidades e frente aos grandes eventos mundiais, vários projetos de BRT – Bus Rapid Transit foram desenvolvidos nas principais capitais, o que representa demanda para o mercado de articulados.
Com um protótipo apresentado à imprensa especializada em novembro de 2010  durante a feira Fetransrio no Rio de Janeiro (RJ), o Volksbus articulado apresenta não só as inovações tecnológicas comuns a todos os veículos da linha, mas inaugura um novo nicho de atuação para os chassis da marca.

Dotado de uma articulação leve, eficiente e de manutenção reduzida, com 18,6 metros de comprimento, o produto é uma solução de relação custo-benefício diferenciada, e acentuada produtividade, especialmente graças ao novo motor Cummins ISL de 8,9 litros. A nova transmissão ZF Ecolife permite a programação de condições de rota de acordo com a aplicação, garantindo a previsibilidade da condução do veículo e aumento da durabilidade dos componentes.

Os detalhes construtivos e os intensos estudos de engenharia realizados oferecem a robustez necessária para aplicações de alto volume, como as dos corredores troncais e sistemas BRT.

NÚMEROS DA VOLKSWAGEN:

A Volkswagen/MAN ocupa o segundo lugar no mercado de ônibus do Brasil, com cerca de 30% de participação. Apesar de registrar aumento no segmento de rodoviários, se maior destaque é o de ônibus urbanos e de leves, como micros e minis.

A empresa se posiciona no mercado atrás da Mercedes Benz e em 18 anos de atuação mais efetiva em ônibus ultrapassou marcas tradicionais como Volvo e Scania.

O primeiro chassi de ônibus foi feito em 1987. Foi um modelo de microônibus 7.90, Logo em seguida, foi apresentado o ônibus urbano 8.140 CO. No início dos anos de 1990, na época da Autolatina, com motores MWM, Volkswagen e Ford apresentavam seus ônibus.

Em 1992, foi colocado no mercado o Ford B 1618. Os primeiros veículos, com o motor MWM, foram encarroçados pela Busscar e pela Marcopolo. O Marcopolo era um modelo Torino que circulou pela Tupi – Transportes Urbanos de Piratininga, na Capital Paulista.

No ano de 1993, foi lançado oficialmente o Volkswagen 16.180 CO, com o mesmo motor MWM 6.10.

Com o fim da Autolatina, em 1º de dezembro de 1994, Ford e Volks se separam. A Ford ficou pouco no mercado de ônibus, que se tornou um dos focos de investimento da Volkswagen.

Entre 1997 e 2010. o número de ônibus produzidos pela Volks mais que dobrou.

De janeiro a junho deste ano, a Volkswagen emplacou 5.415 chassis de ônibus. Isso representa 33,3% do mercado e um aumento de 54% no volume de vendas em relação ao primeiro semestre do ano passado. Em 2010, a Volks manteve a vice-liderança brasileira com 7.523 chassis emplacados, o que representou 26,5% de mercado de ônibus.

Fonte: Blog ponto de ônibus (Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes).

Nenhum comentário: